Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Nós por aí #6 - Florença (II)

por Catarina, em 24.08.17

Dia #3

 

Um mês antes da partida, e com medo de evitar grandes filas de espera, tinha comprado os bilhetes para a Galeria Uffizi, uma das maiores atracções da cidade. Esta galeria figurava nos meus planos há muito tempo, desde as aulas de História de Arte, uma vez que alberga a grande maioria dos quadros renascentistas, medievais e maneiristas que estudei. Para ajudar à festa no dia da nossa visita era inaugurada uma exposição com obras de Leonardo da Vinci incluindo o quadro Adoração dos Magos finalmente restaurado.

A galeria está instalada num palácio construído a pedido de Cosimo I de Médici (uma das principais famílias Florentinas e patronos artísticos) para albergar os gabinetes de ofícios (uffizi em italiano antigo segundo li).

A nossa visita estava marcada para o meio dia e meia, porque na minha ignorância achei que a maioria das pessoas tentaria os horários mais cedo. Saiu-me só tudo ao contrário. Fomos até lá de manhã cedo para conhecer as ruas envolventes; é uma zona muito simpática da cidade que me lembra o Bairro Gótico de Barcelona.

 

DSCN5137.JPG

 

DSCN5153.JPG

 

DSCN5222.JPG

DSCN5241.JPG

 

DSCN5249.JPG

 

 

Apesar de os bilhetes estarem comprados e terem sido bem caros, ainda tinha de ir para a fila trocar o voucher pelos bilhetes em si; rapidamente percebi que seria uma longa jornada até entrar na galeria e fui-me munindo de coragem e força nas pernas. Depois da fila para levantar os bilhetes ainda veio a fila para entrar na porta da galeria (quem não tem os bilhetes pré-comprados enfrenta filas de muitas horas sujeitas ao "stock" disponível), depois uma fila de controlo de segurança, depois um torniquete para o bilhete, mais uma infinita escadaria e um novo controlo ao bilhete. Trocado por miúdos quando chegamos finalmente lá acima já passou mais de uma hora e estamos estafadas capazes de nos atirar ao chão em qualquer canto. A galeria em si, pelas obras que tem, e pelo edifício que é vale muito a pena a visita, claro, mas a empreitada para lá chegar, a falta de organização gigante por parte dos trabalhadores da galeria, e os constantes chicos-espertos a furar filas tiram uma pessoa do sério e quase me arrependi de ter lá ido! A quem quiser ir deixo o conselho: esta é uma atracção que não conhece época baixa portanto escolham logo o primeiro horário da manhã ao reservar o bilhete, levem um farnel e água, calçado confortável, e não façam grandes planos para o resto do dia!

 

No nosso caso, com a partida que os bilhetes do Duomo nos pregaram na véspera o dia ainda não tinha acabado. Comemos rapidamente e voltámos ao hotel para descansar umas horas ao fresco. À hora marcada fomos para o Duomo, para a porta que nos tinham indicado e descobrimos que havia mais uma fila! Sem grandes surpresas lá me pus a jeito, ao sol, a marcar o lugar, até que uns minutos após a hora marcada um senhor pouco simpático veio verificar os bilhetes e deixar entrar pequenos grupos à vez. Estranhei a falta das filas gigantes na porta principal, mas ainda não me tinha caído a ficha até entrar! Então é assim: na véspera, para poupar tempo tínhamos comprado os bilhetes na máquina automática, mas esta só vende o pack completo: Duomo, campanário, batistério, e a subida ao campanário tem de ser reservada com hora marcada. Fizémos tudo na máquina e depois confirmámos com uma senhora no guichet, mas não ficou bem claro que a igreja não estaria disponível para visitar àquela hora que aparecia nos bilhetes. Para ver a igreja e o batistério teríamos de ir para a fila e esperar a vez, a uma qualquer hora do dia, e apenas para o campanário tínhamos hora marcada, que nem sequer foi cumprida! Acabámos por ver a igreja no momento em que entrámos para o campanário, apenas por uma porta lateral, e depois saímos sem subir porque a minha mãe levou de Lisboa um pequeno problema no joelho e subir milhentos degraus não estava no programa. Contentámo-nos com o batistério, um edifício redondo, lindíssimo, todo decorado em talha dourada, e que compensou a desilusão que tivémos do interior do Duomo que é bastante despido em comparação com outras igrejas italianas.

 

DSCN4957.JPG

DSCN5288.JPG

DSCN5297.JPG

DSCN5306.JPG 

DSCN5277.JPG

 

 

Como sempre nestas viagens há os dias "sim" e os dias "não" e este foi aquele em que tudo nos saía torto! Depois da curta visita sentámo-nos numa pastelaria fabulosa do outro lado da praça para lanchar e refrescar. Não me lembro do nome dos doces que comemos, tirando a prima D. que comeu um canollo, e bebemos todas um chá gelado maravilhoso. Claro que numa pastelaria com aquele aspecto e aquele serviço de criados fardados devíamos ter adivinhado a conta! Se se consome ao balcão o valor é um, o que vemos escrito, se for numa mesa, o valor é outro e não está escrito em lado algum....assim pagámos só 10€ pelo lanche, cada uma, mas uma vez não são vezes e voltava lá na maior! Para acabar o dia fomos até às ruas de lojas e fizémos mais compras do que contávamos (o que a partir desse momento significou que a bagagem iria para o porão no regresso).

Terminámos a jantar um wrap e um smoothie num bar vegan com esplanada na Piazza Santa Maria Novella, já bem perto do hotel.

 

continua... 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Reading #14

por Catarina, em 23.08.17

Primos, Virginia Hamilton

 

Antes de ir de férias, numa ida rápida à arrecadação trouxe de lá este livro da minha infância ou juventude e apeteceu-me relê-lo.

Conta a história de três primas e dois primos pelos olhos de Cammy, uma miúda de cerca de dez ou onze anos, sensível, doce, e que tem um amor enorme pela avó, a mãe e o irmão, e um profundo ódio pela tia e a prima direita, que é simplesmente perfeita! O livro transborda de amor até ao dia em que uma tragédia completamente inesperada obriga as personagens a lidar com a dor e a perda. 

Quando o li em pequena pensei que era um livro triste, mas agora tive outra perspectiva, achei o livro lindo e de uma profundidade emocional que não estava preparada para ler em pequena.

 

 

20170821_232249.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

As palavras que o vento não leva

por Catarina, em 21.08.17

As palavras são um problema.

São um problema porque quando saem cá para fora já não há como as conter.
E nem todas são boas e bonitas; Algumas são más, são feias.
Essas são um problema.
Depois de ditas não podem ser retiradas.
Depois de ouvidas não serão apagadas.
Há aquelas que podem vir a ser esquecidas, mas outras ficam eternamente na caixa das coisas que ouvimos e não esquecemos.
E quando não as esquecemos elas doem; Criam um buraquinho que vai crescendo até ser um furo profundo que nos dói cá dentro.
 
Ontem não era isto que gostava de ter escrito. Gostava de ter escrito linhas mais bonitas, com palavras mais felizes, que deixassem transparecer sentimentos bons. Mas as coisas são o que são, e até passar, estas são as palavras que tenho.
 
O defeito pode ser meu, mas não sou instantânea, nunca fui. Se me magoam, fico magoada. Se me fazem feliz fico feliz. Os sentimentos duram muito mais do que simples segundos; não consigo ser como as pessoas que esquecem no momento a seguir. Não sou. Não esqueço. Por isso seria muito mais fácil evitar…como se diz das desculpas: não se pedem, evitam-se, porque as palavras depois de ditas não desaparecem no ar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Reading #13

por Catarina, em 12.08.17

Um dia naquele Inverno, Sveva Casati Modignani

 

Sveva Casati Modignani é uma das minhas autoras preferidas de sempre e adoro as suas personagens femininas fortes e dinâmicas, capazes de mover montanhas, encantar e seduzir. Nos meus livros preferidos constam Baunilha e Chocolate, A Siciliana, A Viela da Duquesa, entre outros tantos que também admirei.

O que me atraiu neste livro foi o facto de ser passado entre Milão e o Lago Como e, tendo visitado esses locais achei que seria uma leitura interessante por conseguir visualizar melhor e imaginar os espaços.

Gostei da família Cantoni e das personagens cujas vidas vão sendo contadas mas achei que no triângulo principal faltava mais profundidade, mais detalhes e descrições mais complexas. Gostei do final, embora fosse sempre agridoce, mas percebo que não poderia ser de outra forma mas não deixa de ser algo desenxabido.

A história no fundo parece um tanto ou quanto inverosímil, e não foi um livro muito marcante; faltou-me um enredo mais completo e intrincado a que estava habituada nos livros desta autora e acabei por me deparar com uma história um tanto ou quanto previsível nas várias fases que ia lendo.

 

20170808_183205.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nós por aí #6 - Florença (I)

por Catarina, em 11.08.17

Dia #1

No dia da partida dormimos pouco e saltámos da cama bem cedo para chegar ao aeroporto antes das 2 horas recomendadas uma vez que se andavam a ouvir notícias de grandes atrasos no controlo de segurança.

Como fomos cedo não havia atraso nenhum e tivemos tempo de sobra para tomar o pequeno almoço e comprar revistas. 
 
O voo em direcção a Bolonha teve a desvantagem de estar supostamente a funcionar com menos tripulação que o necessário pelo que não serviram refeições a bordo e levamos apenas uma embalagem com um snack. Da revista só consegui ler dois ou três artigos porque adormeci em menos de nada! 
O voo que saiu atrasado acabou por chegar na hora marcada e na saída ainda almoçámos antes de apanhar o autocarro que nos iria levar a Florença.
 
Pausa para dizer que o calor nesta terra faz o Alentejo parecer fresco! Sabíamos que estaria quente mas não vínhamos a contar em apanhar quase 40 graus todos os dias. Isto criou logo limitações aos nossos planos turísticos. 
Se andar muito num só dia já custa imaginem com estas temperaturas... a sensação térmica é que estamos numa casa de banho fechados após um banho de imersão de longas horas! Apesar da pouca humidade no ar temos a sensação de estar peganhentas a todo o momento e andamos constantemente a levar choques térmicos porque os locais fechados estão a uns 20 graus no máximo!
 
A primeira impressão de Florença era que tínhamos chegado ao tarrafal, a segunda era que a canalização da cidade deveria estar prestes a explodir tal era o cheiro a esgoto que envolvia o ar junto à estação ferroviária de Santa Maria Novella. O nosso hotel ficava a meio caminho entre a estação e o centro e depressa descobrimos que estava bastante bem situado e tínhamos comércio em quase todas as portas e restaurantes também não  faltavam.
 
Chegámos por volta das 16h, bem no pico do calor e aproveitámos para refrescar e descansar umas horas. Ainda assim a excitação não permitia grandes paragens e fomos dar uma volta até  à  Piazza Santa Maria Novella e à zona de lojas mais central. Na piazza havia música ao vivo todas as noites e foi onde comi os melhores gelados desta viagem!
 

 

 

DSCN4858.JPG

 

DSCN4855.JPG

 

 Dia #2
 
O primeiro dia estava reservado para conhecer o centro e começámos com a visita à  Basílica de Santa Maria Novella onde estavam a decorrer obras de restauro e onde podemos ver frescos do período gótico e do início do Renascimento de Ghirlandaio e do seu aprendiz Michelangelo, de Filippino Lippi e ainda o crucifizo de Brunelleschi. Esta era uma das igrejas que tinha estudado em história de arte e sobre as quais tinha mais curiosidade.
 

DSCN4876.JPG

 

DSCN4910.JPG

 

DSCN4925.JPG

 

 
Ainda de manhã  fomos até ao Duomo mas para não variar as filas eram intermináveis e optámos por comprar o bilhete para o dia seguinte e evitar a espera. Para aproveitar o que restava da manhã seguimos pelas ruas do centro até ao Mercato Centrale onde para além do comércio alimentar no seu interior existe um mercado ambulante no exterior onde há muita bugiganga, écharpes e artigos de pele para comprar, e regatear para quem tiver paciência.
Almoçámos ali por perto provavelmente a melhor salada César que já comi na vida no Coffee&Kitchen.
 

DSCN4959.JPG

DSCN4961.JPG

DSCN4963.JPG

DSCN4964.JPG

 

Na hora do calor recolhemos ao hotel e só saímos perto das 18h para visitar uma das exposições mais giras que já vi na vida...e eu já vi muitas! Já quando fui a Milão achei que os italianos eram exímios nesta parte e desta vez só confirmei a primeira impressão.

Como sempre me apaixonou o mundo da moda, e como esta era uma viagem "de gajas", descobri que existia junto ao rio um palacete onde se instalara a fundação Salvatore Ferragamo, e que continha uma exposição sobre o regresso do criador a Florença, em plenos anos 20. A exposição retratava através de quadros, mobiliário, têxteis e outras peças a cultura que se vivia à época e estava organizada e "maquetada" como se estivéssemos sempre a bordo de um navio, no qual o criador fez a viagem de regresso. Não é das principais atracções da cidade mas foi para mim das melhores, e recomendo a quem tenha interesse pelo tema, já que é um dos poucos locais na cidade onde se circula sem que o nariz tropece num selfie stick!

 

DSCN4970.JPG

DSCN4974.JPG

DSCN4976.JPG

 

DSCN4987.JPG

 

 

 

 

DSCN5028.JPG

 

Para fechar o dia com chave de ouro seguimos até ao rio e fomos conhecer a famosa Ponte Vechio onde hoje estão instaladas as ourivesarias da cidade, e que conserva as estruturas originais e um ar de medieval!

DSCN5083.JPG

 

DSCN5104.JPG

DSCN5118.JPG

 

 

continua...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Desde que me lembro de existir que sempre fomos à praia verões inteiros. Costumo dizer por brincadeira que era a primeira a chegar e a última a sair!

No final das aulas a minha mãe inscrevia-me na praia com a escola, penso que seria no final de Junho, princípios de Julho. Por vezes depois disso ainda fazíamos as duas umas semanas na Costa da Caparica antes de seguir para as férias em "família" em Palmela.

Da Costa recordo muita coisa boa! Era totalmente diferente dos anos 90 para a actualidade e tenho pena que tanto se tenha perdido.

Em Palmela dividíamos o Verão entre a Arrábida e Tróia e assim foi até aos meus 14 anos.

Nessa época começámos a ir para o Algarve, Alvor e Praia da Rocha principalmente.

Adorava a vida que ali existia, especialmente à noite, tão diferente da zona de Setúbal a que estava habituada!

Isto para concluir que a "minha" praia começava na linha e ia para sul, nunca para norte...

 

Há uns 10 anos atrás começámos um caminho sem retorno, o do oeste. Foi então que descobrimos que a praia no oeste tem muito que se lhe diga. Aprendemos que existe um artefacto chamado corta-vento ou pára vento, que é tão ou mais importante que o chapéu de sol, e que permite que uma pessoa se possa instalar numa praia desta costa sem comer um bife de areia.

Nos primeiros anos achávamos a água fria; Fria nem era bem a palavra, mas colocar lá um dedo equivalia a tremer os queixos no segundo seguinte portanto gélida seria mais o termo.

Com o tempo habituamo-nos; Tudo é mais calmo, há menos gente e confusão, tanto na praia como nas vilas, mas não deixam de ser locais vivos e animados. Hoje sei que já não troco este oeste e terei de voltar sempre, nem que seja por pouco tempo.

No saco da praia vai constar sempre uma camisola, ou uma t-shirt, e no porta babagens o corta-vento ocupa o lugar predominante, mas é neste oeste agreste que por agora nos sentimos bem.

Por aqui também é raro encontrar um dos cinquenta e sete vendedores de bolas e berlim que assolam todas as praias do algarve, portanto se não houver bar toca a embalar uma marmita!

Mesmo havendo bar, revistas pode ser mais difícil portanto um livro ou dois, ou uma revista ou um caderno, nunca é demais.

"Contas feitas" e não dá para levar um saquinho para a praia...é bom é investir logo numa mega cesta ou numa cena com rodas porque se forem mais de duas pessoas temos:

- 2 chapéus de sol

- 1 corta vento no mínimo

- geleira com a marmita

- toalhas de praia

- cremes e afins

- livro(s), revista(s), etc..

- raquetes? (está quetinha que com este vento nem vais ver a bola)

 

Depois é só instalar e rezar para que a bandeira esteja amarela. É que avistar uma bandeira verdinha por aqui significa que: ou o mundo vai acabar e deu uma trégua ou o nadador salvador é daltónico; Amarelinho é o melhor que se tira daqui, e o banho convém ser rápido antes que lá fique um mindinho congelado feito lapa agarrado à rocha!

 

Vantagens? Menos malta, menos confusão e um bronze muito mais duradouro que o algarvio, que dá um cor bem bonita mas que nos deixa ao fim de duas semanas após regressar a casa com aquele ar de lula encardida.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nós por aí #5 - Mértola

por Catarina, em 09.08.17

No regresso da viagem pelo Sotavento Algarvio (aqui), indicaram-nos uma praia fluvial nas Minas de São Domingos e resolvemos fazer um desvio no percurso para conhecer.

Eu nunca tinha experimentado uma praia fluvial e não fazia muita questão; dizia sempre que tinha medo, que não ia gostar, que era perigoso e sei lá mais o quê! O M. insistiu até me moer o bicho do ouvido e quando uns vizinhos campistas nos deram a dica pensei "bora lá resolver este tema!".

Saímos de Cabanas em direcção a Vila Real e fizemos uma curta paragem em Castro Marim; Sem perder tempo seguimos pela nacional até Mértola, conscientes do calor que fazia e que ia piorar com a aproximação da hora de almoço! Ainda visitámos umas ruas, um atelier de tecelagem (adoro este tipo de trabalhos!), e a torre do castelo com uma exposição sobre a história do castelo e a sua reconquista. 

Como o calor não dava tréguas arrancámos para as minas e encontrámos um local bonito e bem arranjado com infra-estruturas decentes. 

Estava cheio como seria de esperar, e era quase impossível colocar um chapéu de sol, até porque o piso não era arenoso, mas sim rochoso! A areia servia apenas para tentar tornar a rocha mais macia. Não perdemos tempo e tomámos logo um banho! Não adorei a textura do fundo, mas não posso dizer que fosse horrível como temia; A água era limpa, embora não límpida, e vi um girino minúsculo a nadar, ao contrário das cobras de água que eu também temia! Senti a água doce demasiado pesada depois de várias dias no mar mas não detestei e acho que posso repetir a experiência noutro local....digamos mais fresquinho! Dalí deixámo-nos de aventuras e procurámos no GPS o caminho mais rápido até casa.

 

DSCN4751.JPG

 

DSCN4800.JPG

 

DSCN4808.JPGDSCN4832.JPG

DSCN4829.JPG

 

DSCN4836.JPG

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estados de alma

por Catarina, em 05.08.17

Já voltei. Já voltei e tenho muita coisa para contar, até porque ja tinha "coisas" em atraso que queria contar antes de ir! Estive dois dias a recuperar e a mudar a roupa das malas para amanhã seguir para o oeste. Aproveitei e consegui ir pondo a leiura em dia; tenho comentários a publicar, posts por escrever e outros por editar, questões para resolver e decisões para tomar. Energia? Zero. Estes dois dias de pausa parecem ter tido o efeito contrário e sinto-me enfiada numa espiral daqueles moods pesados e negativos, com tendência para o drama, o choro fácil, o stress, a ansiedade, o conflito. Sinto o chão a escapar, as fundações a tremerem, e chateia-me estar nesto "sítio" novamente. Mais uma vez vem aquela vontade de estar sozinha em algum local, de fugir, de fazer férias de tudo e todos. Há planos que se adiam muito, outros que nunca se concretizam. Há sonhos que não se realizam, outros que nem se perseguem. Há certezas que não se questionam... mas dúvidas que nunca dissipam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A melhor altura do ano para ler...

por Catarina, em 04.08.17

...é no Verão!

Desde pequena que as leituras marcaram os meus Verões; Fazer a mala para ir de férias incluía para além de roupa e coisas essenciais, um saco de brinquedos e uma mochila cheia de livros! Tinha sempre um caderno de actividades para fazer no verão e não esquecer totalmente a matéria, mas o que me entusiasmava era mesmo ler os Cinco, os Sete, as Gémeas no Colégio de Santa Clara, o Colégio das Quatro Torres, o Guarda da Praia, o pack Harry Potter rodo, o livro dos Primos, os livros da âmbar e da presença... Eu ia armada de horas de leitura!

Todos os dias para a praia levava um livro, que lia no barco e depois na praia e depois no regresso. Os meus livros coleccionam areia, papéis de rebuçados, e talvez até migalhas de sandes e não trocaria essa experiência por nada nesta vida.

Depois fui crescendo, os livros foram mudando, outros iam-se repetindo, sempre gostei muito de reler livros, é quase como voltar a um local onde fomos felizes!

Agora que estou prestes a encarar umas semanas de férias levo comigo estes:

 Ando com sede de Isabel Allende por isso resolvi reler o Eva Luna (um dos meus livros favoritos de sempre) antes de embarcar nos contos.

 

 Vi a série espanhola e fiquei encantada! Antes disso a minha mãe já o tinha lido e eu tinha ficado com ele na ideia, outra dia aproveitei e trouxe-o comigo.

 

 A minha compra mais recente. Já li dezenas de livros da Sveva, gosto sempre, de uns mais do que de outros, mas este chamou-me a atenção por ser passado entre Milão e o Lago Como, locais que vi de perto recentemente.

 

No campo dos técnicos levos estes dois debaixo do braço: o primeiro é minorca, livro de bolso autenticamente com letra de lupa, e o segundo uma bíblia que vou ler aos poucos.

 

 

Parece muito?! Eu leio à velocidade da luz e já cheguei a ir de férias e acabar os meus livros e ter de ir comprar outros ou ficar com o que a minha mãe tinha levado! Mas não conto voltar com isto tudo lido...até porque vou ter duas feiras do livro por onde divagar e a probabilidade de adquirir mais algum é elevada!

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Nós por aí #4 - Tavira

por Catarina, em 02.08.17

Tavira impressionou-me tanto que teve direito a um post só para ela! Se calhar ajudou a esta impressão o facto de ter ido reencontrar uma amiga do secundário que me apresentou a cidade toda a pé numa noite de verão muito agradável. Tivémos a sorte de a ter como guia pelos recantos e miradouros e ir sabendo pormenores deste ou daquele espaço.

Não consigo reconstruir a volta como a fizémos com ela, até porque íamos pondo a conversa em dia pelo caminho e tirámos zero fotos! No dia seguinte voltei lá ao fim da tarde para rever tudo com mais calma à luz do dia, e como a feira do livro só abria à noite ainda voltámos na véspera de ir embora só para dar mais uma volta!

Fiquei fã da zona do jardim do coreto, junto ao rio e emoldurada pela ponte Romana e pela ponte militar; De dia a luz é incrível e à noite a iluminação faz com que seja um espaço muito simpático. Ajuda muito a temperatura que lá se faz sentir e há muita oferta de espaços para um gelado ou uma bebida. Subimos aos miradouros, decobrimos que a cidade tem um número de Igrejas fora do comum e está no topo das cidades europeias com mais Igrejas!

Adorei os gelados do quisque Muxagata, aquele caramelo salgado com chocolate temperado crocante é qualquer coisa divinal e gostei muito do comércio mais fora do comum com um atelier de prata, onde conseguimos ver o processo de produção e a loja de cerâmica de artista, onde não resisti a ir às compras. (A senhora da loja não sabe mas quando fechou às 23 horas eu ia a caminho de lá novamente para ir buscar mais coisas depois de uma passagem pelo multibanco - fiquei um pouco frustrada e disse para mim que numa próxima não demoro nem mais um segundo!!!)

 

DSCN4769.JPG

DSCN4776.JPG

DSCN4789.JPG

DSCN4791.JPG

DSCN4785.JPG

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D