Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Azul

por Catarina, em 29.01.18

Não é novidade, que nasci em Lisboa, cresci em Lisboa, e estudei em Lisboa. A maior parte da minha família está em Lisboa. Ainda assim conhecer a cidade de palmo a palmo consegue ser uma tarefa árdua…quando acho que já domino a coisa ainda descubro ruas, ruelas, avenidas e praças onde nunca tinha posto os pés.

Estando tão ligada à cidade, e tendo sido sempre tão responsável, tive de descobrir espaços de refúgio, para onde fugir quando o cerco se aperta e eu só quero estar só. Não é invulgar sentar-me ao volante e querer conduzir até mais longe, por vezes não sei até onde mesmo, embora suspeite (!), outras vezes é apenas a vontade de fugir aos problemas, às responsabilidades, às chatices, aos trabalhos. Mas nunca quando precisam de mim. Quando precisam de mim eu estou lá, a toda a hora, a todos os momentos possíveis…. não obstante a vontade escondida e trancada que possa ter no fundo do coração, de fugir, de ir espairecer, de fazer uma pausa.

Em Lisboa, costumava fugir para o cais fluvial de Belém. Estudava em Santos, era boa aluna e não faltava muito, por isso precisava de um sítio perto para me refugiar q.b.; Quando esgotava as opções todas no CCB, era no cais que parava. Podia ou não sair do carro, conforme o frio, e conforme a multidão, mas era raro até há uns anos atrás encontrar por ali muita gente a meio de um dia de semana. Portanto, era o eu canto.

Devo ter herdado do meu avô a mania de olhar o rio; Talvez também do meu pai, o hábito de olhar o mar. Não sei de quem, esta predisposição que por vezes ataca e me puxa até ao fundo, ao mais profundo, ao azul mais escuro. Quando precisam de mim eu nado, luto contra a corrente para sair desse azul, fico onde estou, não fujo nem me escondo. É onde estou.

 

Imagem via Pinterest

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


2 comentários

Imagem de perfil

De Rooibos a 29.01.2018 às 15:01

Em sempre gostei de sítios com água.
Quando estudava, o meu destino costumava ser o Parque das Nações, especialmente os passeios marítimos.
Mas depois soube que um colega meu tinha sido ali assaltado, durante o dia. E passei a evitar.
Quando comecei a trabalhar e a ter carro, gostava de toda a zona marginal de Lisboa até Cascais (ainda hoje gosto).
Lembro-me também, numa noite, ter decidido ir até esse cais. E notei que apareceu alguém, de passo apressado, que parou a uns metros do carro. Depois arranquei e mudei de sítio. E essa pessoa voltou a ir atrás do carro e parou-se a uns metros. Fiquei meio assustado e nunca mais lá voltei.
Imagem de perfil

De Catarina a 30.01.2018 às 14:06

De facto esse cais à noite pode ser um sítio um pouco só... propício a "cenas estranhas"

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D